Como preparar o pet para o eletrocardiograma? Veja como explicar para o tutor

19 Abril 2016

Como preparar o pet para o eletrocardiograma? Veja como explicar para o tutor

Os animais também podem sofrer com problemas cardíacos e, assim como nos humanos, muitos deles são silenciosos. Quando os primeiros sinais clínicos começam a acontecer é porque a doença já está muito avançada. Por isso, o diagnóstico precoce, feito com exame de eletrocardiograma, é essencial para aumento da sobrevida do animal.

Além da auscultação feita na rotina clínica, a realização do eletrocardiograma (ECG) durante os check up’s ou como exame pré-cirúrgico são essenciais para uma avaliação mais específica. Uma alteração encontrada no ECG pode sugerir um problema clínico e este deve ser investigado. Quando descoberta cedo, a cardiopatia pode ser tratada e controlada com mais facilidade.

Como o ECG pode ajudar no diagnóstico?

O eletrocardiograma dará uma visão da atividade elétrica do coração. Embora a técnica seja usada desde o século XIX, ela é a melhor maneira de investigar uma possível doença em um animal aparentemente sadio. Afinal, é um exame de baixo custo, não invasivo e que, graças à telemedicina veterinária, pode ser feito em clínicas de todo o país e ainda contar com um laudo de um especialista na área.

Com o ECG, o clínico pode ter uma noção do ritmo cardíaco, quanto ao local de formação, frequência de formação e condução do estímulo elétrico. Isso ajuda em um diagnóstico, na pré-avaliação anestésica, no acompanhamento de terapia antiarrítimico, no diagnóstico de alguma alteração sistêmica, na identificação de uma cardiopatia, entre outros.

Como para o tutor, muitas vezes, a realização do ECG é entendida como um “exagero”, é importante deixar claro que com os maiores cuidados e com o avanço da medicina veterinária, os animais vivem mais. Com a expectativa de vida maior, é natural que os problemas cardíacos aconteçam e, para evitar que o animal de estimação dele adoeça por isso, a realização do ECG durante o check up é essencial.

Além disso, é interessante explicar para o tutor que através do ECG o clínico pode conseguir entender o motivo de sinais que o cão esteja apresentando, como cansaço fácil, desmaios, alteração na frequência respiratória, entre outros. O esclarecimento de todos os pontos e uma explicação mais detalhada sobre o procedimento ajudam a convencer a pessoa de que o animal dela precisa do exame para ter uma qualidade e expectativa de vida maiores.

Como preparar o cachorro para o ECG?

Esta é uma pergunta que frequentemente é feita para o clínico de pequenos animais e é a hora de tranquilizar a pessoa sobre o procedimento. É importante deixar claro que a realização do ECG é simples, rápida e que o animal não vai sentir dor. Depois disso, o cão será colocado em decúbito lateral direito e alguns eletrodos, banhados em álcool, serão colocados nele. São esses eletrodos que vão captar a condução elétrica existente naturalmente na superfície do corpo do animal.

Ele será avaliado por três minutos, o que será suficiente para realizar os registros necessários para a avaliação clínica. Deixe claro que em casa a pessoa não precisará fazer nada, nem antes nem depois do procedimento. Tudo será feito com segurança, dentro da clínica e pelo profissional.

Você costuma ter dificuldades para conseguir que os clientes aceitem realizar o ECG durante o check up ou no pré-operatório? Comente! 

Leave a Reply