Cresce o número de processos sobre erros médicos veterinários

Cresce o número de processos sobre erros médicos veterinários
03 Maio 2017

Cresce o número de processos sobre erros médicos veterinários

O erro médico veterinário é muito parecido com o do seu ancestral teórico, o erro médico. E embora os números sejam muito reduzidos se comparados aos da negligência médica, muitos processos sobre erro médico veterinário chegam à justiça todos os dias no país.

Mas que precaução tomar para evitar o erro médico veterinário? Quais os erros médicos veterinários são os mais comuns no dia a dia da profissão?

Erro de ancoragem

Também chamado de reconhecimento de padrões distorcidos, a ancoragem é o erro que se comete quando não se considera múltiplas possibilidades, mas ao invés disso, rapidamente e firmemente trava em uma única, certo de que fez o diagnóstico corretamente.

Este tipo de erro ocorre quando um veterinário se fixa em certos sintomas para confirmar a sua primeira impressão (tendenciosa). Evite este erro, certificando-se de que todos os sintomas do animal se encaixam perfeitamente no diagnóstico.Além disso, para confirmar o diagnóstico é importante realizar exames como o ECG e o Hemograma.

Erro de disponibilidade

O erro de disponibilidade se refere à tendência de julgar a probabilidade de um evento pela facilidade com que casos semelhantes chegam à sua clínica médica. Em outras palavras, quando se vê uma sequência de dez casos muito parecidos (por exemplo, pneumonia por asfixia de corpos estranhos), fica-se mais propenso a assumir que o 11º paciente com sinais mais ou menos semelhantes tem o mesmo diagnóstico. Esse diagnóstico é “disponível” e familiar, e o que chega mais rapidamente à mente.

Evite este erro considerando cada paciente como um indivíduo, independentemente dos diagnósticos dos pacientes anteriores. Além disso, não deixe de fazer exames médicos mais completos, como o hemograma, por exemplo.

Erro por excesso de ação

Tal erro decorre da tendência que um veterinário tem para a ação em vez da inação. Mas também pode acontecer quando o veterinário está desesperado e cede à vontade de fazer algo urgente por seu paciente. Também pode ser causado por um apelo à ação de um cliente impaciente.

Isso se aplica a casos em que o momento ideal para uma cirurgia não é claro, como em uma dilatação gástrica, uma hérnia diafragmática ou quando o médico suspeita que o paciente engoliu um corpo estranho. É preciso pensar o que será melhor para o bem-estar do animal. Estabilizar o paciente ou realizar a cirurgia? Evite esse erro avaliando o risco cirúrgico de acordo com a classificação ASA.

Erro por satisfação

Sendo ou não um médico veterinário, todo o mundo já passou por essa situação. Digamos que você saia de casa pela manhã. Está preocupado e com pressa. Então percebe que esqueceu seu celular. Busca em todos os lugares habituais, até encontrá-lo. Satisfeito por ter encontrado o seu celular, sai correndo de casa, senta-se ao volante do carro, quando percebe que também esqueceu a carteira!

Uma situação semelhante pode facilmente ocorrer durante um exame físico, a avaliação de um exame de raio-X ou mesmo em uma cirurgia. Você está satisfeito depois de reposicionar um estômago inchado e realizar uma gastropexia, mas, infelizmente, se esquece de explorar o abdômen e remover a vesícula biliar com mucocele.

Evite este erro, mantendo a mente aberta e seja completo em sua avaliação física, radiográfica e cirúrgica.

E você? Já se enganou em um diagnóstico? Comente com a gente e não deixe de ler o nosso blog!

Leave a Reply