Principais alterações no eletrocardiograma de cães idosos

04 agosto 2014

Principais alterações no eletrocardiograma de cães idosos

Sabe-se que com o envelhecimento, as funções vitais já não correspondem com tanta perfeição em relação ao início da vida. Dentre os processos biológicos alterados está a dificuldade em manter a homeostase.

Por isso, exames clínicos e cardiológicos realizados com frequência são de extrema importância para um diagnóstico eficaz, possibilitando o início do tratamento antes mesmo do aparecimento dos sinais clínicos. Através dessas atitudes também, o clínico veterinário pode orientar o proprietário quanto aos cuidados necessários visando melhorar a qualidade de vida do animal.

Morte de animais idosos

Dentre as causas mais frequentes de morte em animais idosos estão o câncer e, em segundo lugar, os problemas cardíacos, o que enfatiza ainda mais a importância de exames preventivos. Dentre esses problemas cardíacos devemos destacar a Doença Valvar Mitral Crônica (DVMC) e a Doença Mixomatosa da Valva Mitral, que está presente em aproximadamente 75% dos casos.

Na Doença Mixomatosa da Valva Mitral, a válvula sofre alterações estruturais que comprometem a sua função, resultando em um refluxo sanguíneo que pode, com o tempo, resultar em uma insuficiência cardíaca congestiva e, consequente, óbito. Dentre as raças mais acometidas estão: Poodle, Teckel (Dachshund), Cocker Spaniel, Pinscher, Lhasa Apso, Maltês, Pequinês, Fox Paulistinha, Yorkshire, Pastor Alemão e os sem raça definida (S.R.D.) de pequeno e médio porte. Muitos desses cães com apenas 6 anos de idade já começam a desenvolver a insuficiência.

O diagnóstico precoce dos problemas cardíacos permite melhor planejamento do tratamento que, embora não cure, diminui as complicações e melhora a qualidade de vida dos animais.

Para esse diagnóstico precoce, além de um exame clínico minucioso, no qual, através da auscultação, é possível identificar um sopro ocasional, o ecocardiograma deve ser solicitado em animais com 6 anos ou mais ou quando algo anormal for identificado à auscultação.

Dados de pesquisa

Em um estudo de nome “PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NO ELETROCARDIOGRAMA (ECG) DE CÃES IDOSOS SUBMETIDOS À AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA,” realizado por BRAITH, S. B; CORTOPASSI, S. R. G; CARVALHO, H. S, foram avaliados cães atendidos no Serviço de Cirurgia de Pequenos Animais do Hospital Veterinários da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

Para a avaliação pré-cirúrgica, a equipe de médicos veterinários fez uso do exame de ECG para uma avaliação clínica mais precisa e melhor adequação do protocolo anestésico. Os resultados obtidos indicaram que 81,613% dos cães idosos submetidos à avaliação não tiveram nenhuma alteração cardíaca detectada.

Já 18,387% dos cães submetidos ao exame de ECG apresentaram alguma alteração, seja essa no ritmo cardíaco, seja na condução elétrica, no aumento de câmeras cardíacas, no bloqueio de ramos, entre outros. Porém, apenas 8,387% dos cães avaliados foram consideradas importantes para a determinação do protocolo anestésico, de acordo com a avaliação da equipe.

Você realiza o ECG nos seus pacientes idosos?

Com que frequência? Conte pra gente nos comentários!

Você já conhece o InCardio?

Solicite o catálogo online!

Conhecer

Leave a Reply