Raças caninas com mais propensão a desenvolver obesidade

10 setembro 2014

Raças caninas com mais propensão a desenvolver obesidade

 

A obesidade canina é uma doença que preocupa os médicos veterinários, pois o problema vem crescendo no mundo todo. De acordo com a Associação Americana de Prevenção à Obesidade em Pets, cerca de 50% dos cães dos Estados Unidos estão com sobrepeso.

E a preocupação não é estética. Isto porque a obesidade é uma doença complexa que pode causar outras complicações, por isso requer tratamento durante praticamente toda a vida do animal.

Raças caninas com mais propensão a desenvolver obesidade

Beagle: Possuem apetite exacerbado e tem tendência a apresentar tumores quando a quantidade de gordura corporal é grande.

Boxer: A raça possui pré-disposição para desenvolver hipotireoidismo – o que aumenta a chance de apresentar obesidade.

Dachshund: Com uma estrutura física alongada e pernas curtas, a raça sofre desgaste ósseo quando o cão está acima do peso. A tendência a obesidade se dá pelo fato deles não gostarem muito de fazer longas caminhadas com seus donos.

Bulldog Inglês: A raça é avessa a atividades que exijam esforços físicos, além de comer muito e já ter uma formação física que favorece o ganho de peso. Apresenta problemas respiratórios quando acima do peso.

Pastor Alemão: Apesar de bem dispostos para atividades físicas, os pastores têm tendência a desenvolver displasia coxofemoral – uma má formação na articulação, que é típica da raça. Quando este problema aparece, o animal tem dificuldades para se movimentar – o que favorece o aparecimento da obesidade, que além de ser muito maléfica para a saúde do cão, prejudica ainda mais a displasia.

Golden Retriever e Labrador: Apesar de ativos e brincalhões, os cães destas raças tem apetite voraz. Além disto, sua estrutura física facilita o acúmulo de gorduras.

Rottweiler: Apesar de a raça ser ótima para guardar casas e propriedade em geral, o cão não gosta de atividades físicas. Sua formação robusta contribui para o desenvolvimento da obesidade.

Terra Nova: A raça tem tendência ao sedentarismo, além de comer praticamente tudo o que lhe é ofertado.

Lhasa apso: Uma das raças mais sedentárias, não gosta de longos passeios. Suas patas curtas oferecem riscos à coluna quando a obesidade é instalada.

De acordo com a Associação Americana de Prevenção à Obesidade em Pets, cerca de 50% dos cães dos Estados Unidos estão com sobrepeso.

Problemas que a obesidade causa aos cães

Os cães obesos podem sofrer graves problemas de saúde, assim como os seres humanos. As principais doenças que acompanham o excesso de peso nos cães são a hipertensão arterial, a diabetes, o colesterol alto, problemas nas articulações (lesões na coluna podem deixar o animal sem andar), problemas respiratórios e cardiovasculares, osteoporose, lesões musculares, além de depressão – já que o animal fica com dificuldades para passear e interagir com seu dono.

Como evitar a obesidade canina

Apesar de algumas raças terem tendência a desenvolver a obesidade, o problema pode ser evitado com os cuidados do dono. Um dos cuidados principais é oferecer quantidades ideais de alimentação, assim como o estabelecimento de uma periodicidade para o cão comer biscoitos ou outros alimentos especiais para cachorros.

O animal deve ter uma rotina regular de atividades físicas. Passeios diários costumam ser suficientes para manter o cão ativo fisicamente. Também é importante estimular brincadeiras. Qualquer sinal de sobrepeso deve ser comunicado ao dono do animal para que as medidas de prevenção de doenças sejam tomadas.

Você costuma lidar com esse tipo de caso na sua clínica?

Compartilhe sua experiência com a gente!

Você já conhece o InCardio?

Solicite o catálogo online!

Conhecer

Leave a Reply